quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Soneto da lavandeira


Aquela lavandeira me faz  lembrar
de quando minha avó me dizia
que a vida é uma grande poesia
dum grande rio qu’está a andar

No qual gente de todo o lugar
se reúne sempre à suas margens
com suas trouxas de roupa, imagens,
e, lavando, se põem a conversar

E na lavagem junto às águas
deixa-se correr toda a mágoa
enquanto segue a correnteza.

E, findos já de sua assepsia,
o que é branco à luz do dia
deixa transparecer sua beleza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário