segunda-feira, 19 de agosto de 2013

A chegada

Quando voltaste pra mim portas adentro,
ao longe vi tua silhueta pela ventana.
Confesso que o peito pulsou e eu tive ganas
de abraçar-te e levar-te para dentro.

"Mas que é isso!" pensei febril, humana...
Por que teus anseios ainda me comovem
por que teus versos em mim se não dissolvem,
mas perduram nesta emoção assim insana?

Tive vontade, sim, eu sei e confesso.
Mas em meu poema não cabe teu verso
e minha vida sem ti mudou de centro.

Então te recebi serena, mas fria
e te presenteei esta última poesia
quando voltaste pra mim portas adentro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário