domingo, 10 de julho de 2011

Um pedaço de mim ainda te espera

Um pedaço de mim ainda te espera


São seis horas da manhã

Lá fora o barulho dos carros

Mistura-se ao que resta da ventania

E ao piar dos pássaros.

Faz tempo que surgiu a aurora

Um vento ainda gélido

Entra pelas janelas do nosso apartamento

E invade como quem se pede

Mas ao mesmo tempo se oferece

Num holocausto concebido pelo

Despertar dos corpos em transe...


Sabemos bem que temos que nos levantar,

No canto posterior da vivenda

Piados compassados do despertador

Chamam-nos num convite à vida

Que se desentranha lá fora

Como se fosse parte de nós

E na verdade o é,

Nem tudo é silencio na grande metrópole sonolenta.


No chão de nossa casa

Vejo nas cadeiras os restos

De uma roupa que tiramos às pressas

- meias, saias, cuecas, gravatas, lingerie –.

E um pouco de mágoas,

Talvez somente ansiedade


Enfim, destrincho diante dos meus olhos

Um pequeno gesto de doação fugidia

E grandes pedaços de arrependimento:

A que horas te foste, por onde andas?

Sento-me na cabeceira sem mais porquê

E vejo a rua pela ventana principal.

Os carros tecem-se em teias de aranha

De um abismo no asfalto,

Mas que, por seu movimento,

Devem ter algum encontro...


Então acho que devo esperar,

Por algum motivo este vazio

Me traz a certeza de tua espera

E dos desejos que juramos

Numa noite destas...

Então espero

E continuo a esperar

Até sentir-me segura

E ligar-te pra desejar bom dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário