domingo, 24 de julho de 2011

Angústia


Angústia


Mãe, esta noite acordei confusa,

Com uma vontade louca de te abraçar,

Tive um medo danado, pensei que lá fora

Os barulhos se misturavam à embriaguez.


Mãe, será que tudo está bem?

Será que não nos esqueceram de novo?

Ontem à noite te vi chorando, fiquei pensando

Por que será que sofremos tanto assim?


Mãe, esta noite tive medo do escuro.

Lá fora os barulhos se misturaram

E embriagaram nossa lucidez.

Será que realmente tudo esta bem, mãe?


Por que nesse jogo de faz de conta

Perdemos a conta de quantas vezes

Não nos fizeram conta... se foram?

Por que tudo é tão tenebroso?


Mãe, posso te dar um abraço?

Neste mundo só temos uma à outra.

E que queria que você soubesse

O quanto é difícil pra mim saber disso.


Lá fora as sirenes soam tão alto

Que me esqueço que ao seu lado

Tudo é mais seguro, apesar de frágil.

Mãe, será que eles arrombarão a porta?


Será que vão bater na senhora de novo

Com seus olhares em fúria, olhos em chamas?

Será que vão nos deixar dormir esta noite,

Será que seremos felizes só hoje?


Deixa eu enxugar suas lágrimas,

Deixa eu ninar a senhora,

Tem muita gente lá fora

E aqui é bem seguro, mãe.


Deixa sua menina cantar,

Deixa que aqui é seu lugar,

As sirenes soam alto, muito alto,

Mas ainda temos força pra sonhar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário