terça-feira, 19 de julho de 2011

Poema intimista


Um poema intimista

É um sair da realidade
na realidade...
É um ver-se fora
estando dentro,
é um conhecer de si,
já conhecendo,
é como um dar-se toda,
dividindo-se em partes.

Um poema intimista
é ver-se a si mesma,
não sabendo o quanto
se almeja estar ali...
Se bem o estejamos
Há muito tempo...

Por que escrevê-lo?
Todo poema,
por mais intimista que fosse
é uma doação,
vem de nós
mas não pra nós.
Que interessa aos outros
a vida alheia?
No entanto tantos
gostam ler poemas intimistas
que mais parece
um convite adentro
de nossa sala de estar,
de nossos cômodos,
banheiros, lixeiros,
guarda roupas, gavetas.

Por que o ler?
Que lhes importa
saber da Sophya
menina franzina
de outrora, moça feita agora?
Que lhes importa saber
das salas, corredores e quartos
do coração de uma jovem?

O leem porque todo texto
É um convite a estar nele,
o leem porque estando nele
se busca um sentido,
o leem porque se o há,
esse sentido,
alguém fala:
“Nossa, que belo
Que mimo de poema”
E se não é por nada disso,
O leem só porque as palavras
tem um som bonito.

Mais uma vez
Me dispo de mim mesma,

O que cê tá fazendo da vida, Sophya?



Nenhum comentário:

Postar um comentário