domingo, 17 de julho de 2011

Banco de praça


Onde estavas

Quando o verso calou-se?

Onde estavas

Quando o sono tomou-me?

Onde estavas

Quando era forte a agonia?

E quando não havia poesia

Onde estavas?


Onde estavas

Quando chamei o teu nome?

Onde estavas

Quando quis teu perfume?

Onde estavas

Quando os sentidos pararam

E eu perdi a fome

A vontade de viver

E os sentimentos?

Onde estavas?


Onde estás

Se te quero agora?

Onde estás

Se não te tenho?

Onde estás

Se ainda te quero

Se ainda te espero

Num duro banco de praça?

Nenhum comentário:

Postar um comentário