segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Baile de máscaras

Como uma noite de encontros
em que não se sabe quem conta,
como um baile perdido
nas curvas do abismo
Amor, vem
Ser também
parte da minha fantasia.

Como um relógio parado
que torna mais rígido o horário,
como uma chama acesa
que ardendo se expressa...
Amor, vem
Ser também
parte do meu delírio

Como um verso manhoso
que é tão lindo e pretensioso,
como uma máscara pierrot
que tanto preza ao ator...
Amor, vem
Ser também
parte da minha história

Como um sonho infantil
Faz sorrir ao senil,
como o som da flauta
é doce e se refrata...
Amor vem
Ser também
parte da minha poesia.

Do meu delírio
Da minha história
Da minha fantasia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário