segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Silêncio...


Silêncio...
possa ser que alguem nos ouça...
Silêncio...
Deixa apenas entre mim e tua boca
Silêncio...
suspiros e respirações tão roucas
Silêncio...
Deixa que te envolva como uma cobra
Silêncio...
deixa-me roçar-me sobre teu corpo
Silêncio...
Deixa-me afogar-me em meus gozos
Silêncio...
que entre nós o mistério se envolva
Silêncio...
que só a palpitação se ouça
Silêncio...
Quero deliciar-me em tuas coisas
Silêncio...
e mais em nada, mais nada...
Silêncio...
Possa ser que alguém nos ouça.
Silêncio...
que esta noite é perigosa
Silêncio...
que entre mim e tua boca
Silêncio...
esteja o nada que nos inquieta.
Silêncio...

Nenhum comentário:

Postar um comentário