terça-feira, 17 de agosto de 2010

Tempestade

Queria encontrar-te hoje
abraçar-te em meus braços
Ninar-te como meu menino
quando tens medo de ficar só
Queria ter-te comigo
agora que a noite é sombria
e que o vento me sacode
e me traz tua lembrança
Queria estar aos teus pés
venerando-te como a um deus
ao qual fantasiamos nas nossas
carícias sagradas...
Queria dizer-te o que te repito sempre:
Que te amo, te adoro e te quero.
Mas ao mesmo tempo
sinto essa distância como um carinho
que faz com que nossas mentes se encontrem
e juntas se entreguem ao gozo
que nossos corpos sentem em ter um ao outro

Ai, é noite de tempestade, querido
a chuva está tão forte... o vento tão frio
e eu aqui a pensar em ti...

Nenhum comentário:

Postar um comentário