terça-feira, 24 de agosto de 2010

Amor de vísceras


Amor de vísceras,
não de alma
o amor demasiado...
Amor real, ao quanto
se pode ter com
todos os sentidos
e especulações
Amor de carne e osso
com pulmões, vértebras
e braços...
Amor com fronteiras
sem pulos ou voos
Amor mais real
que todas as declarações
de amores que se tem...
Amor com limites,
com ânsias e com raivas,
Amor às vezes sólido
sem mais nem menos...
Amor às vezes pobre
como uma mesa
e duas cadeiras
Mas enfim,
amor de homem
com uma mulher
Não de dois anjos
ou semi-deuses
mas amor real
de carne e osso...
com glândulas, hormônios
e sêmen... amor
que é a vida em si ocorrendo
antes de toda a metafísica

Pra que metáforas?
amemo-nos assim mesmo,
como sempre foi...

Nenhum comentário:

Postar um comentário