sexta-feira, 15 de março de 2013

A rosa desfolhada III


Como eu soube mais tarde,
esta noite morreu a rosa.
A rosinha que encantava
o jardim de Venturosa.

Morreu a rosa, coitadinha.
Nem seu cheiro nos deixou.
Nem lembrança, pois ela
é nada mais que uma flor.

E é das flores murcharem,
sua lembrança é das muitas
outras que vem e que passam
adornando o aroma dissoluto.

Mas se foi, a pobre rosinha,
não podia ser eterna...
iria murchar a coitadinha
caindo pétala por pétala.

E hoje eu passo, passo, passo:
Sou moça, bonita, e que importa?
Amanhã eu serei velha, velhinha.
Mas será que um dia eu

poderei dizer encostada ao canto.
Hoje eu sou talo
mas ontem eu fui rosa?

Nenhum comentário:

Postar um comentário